Foi há relativamente poucos anos que se começou a falar do conceito Passivhaus em Portugal, mas esta forma de construir edifícios sustentáveis e energeticamente eficientes não é nova, e muito menos na Europa. Este modelo foi criado na Alemanha, no início dos anos 1990, e pouco a pouco foi-se estendendo por todo o continente.

Os edifícios construídos segundo os critérios Passivhaus (casa passiva, em alemão) conseguem reduzir cerca de 75% das necessidades de aquecimento e de refrigeração. A pouca energia suplementar que requerem pode ser fornecida com facilidade a partir de energias renováveis, o que atribui a este tipo de construção um custo energético muito baixo para o proprietário e também para o planeta.

Sabendo que o conceito Passivhaus não só está na moda, como também lhe permite poupar dinheiro e ter uma ação ecológica, será que sabe quais são os requisitos que a sua casa tem que ter para obter esse certificado? E qual a importância que a cobertura tem para o conseguir? Continue a ler.

Primeiro que tudo, para que uma casa seja considerada passiva tem que possuir valores muito baixos de transmissão térmica, a que chamamos U, ou seja, tem de ter um bom isolamento em toda a sua envolvente (fachada, solos e cobertura). Estes valores representam uma contribuição fundamental na otimização do conceito de eficiência energética, mas uma vivenda Passivhaus tem que ter em conta outros fatores:

• Máxima utilização dos conceitos de arquitetura bioclimática.
• Ótima orientação do edifício.
• Eliminação total das pontes térmicas
• Janelas com baixos valores de U.
• Sistemas de ventilação controlados e uma recuperação térmica mínima.
• Construção hermética.
• Utilização de aparelhos eletrónicos de máxima eficiência energética.

Então, e quanto à cobertura?

Uma cobertura por si só não é Passivhaus, tal como não é, nem mais, nem menos, sustentável. Só assume essas características na medida em que aporta sustentabilidade ao edifício ou ajuda a que este cumpra com o conceito alemão.

Para isso, a cobertura deverá cumprir os mesmos parâmetros anteriores e, sobretudo, possuir um extraordinário desempenho a nível do isolamento sem deixar de ser ventilada.
Quer conhecer um bom exemplo de uma cobertura que cumpre com o conceito Passivhaus? Apresentamos-lhe o sistema Tectum®-First, uma solução tecnológica com microventilação, impermeabilização e isolamento.
Mas, mais importante ainda, não se esqueça que o conceito Passivhaus não só cumpre com a Diretiva Europeia sobre o Desempenho Energético dos Edifícios, para a construção de casas com necessidades quase nulas de energia, como ainda a melhora. Por isso, construir uma casa passiva é apostar no futuro, sabendo que o edifício (e a sua cobertura) cumpre todos os parâmetros de qualidade.

Pode ainda conhecer aqui  outras soluções eficientes de coberturas.

Partilhar

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter

Leave a Reply